Nona criação da companhia, ainda sem título definido, este monólogo interpretado por Laura Nielsen e dirigido por Natássia Vello, parte de um jogo polifônico escrito por Diogo Liberano para apresentar a história de seis mulheres de uma mesma árvore genealógica: são elas filhas, mães, avós, bisavós, trisavós (tataravós) e tetravós. O que une as seis mulheres é a única entre elas que ainda está viva, Leonor, que numa tarde qualquer invade uma propriedade que era da família para tomar um chá com as parentes mortas.

O projeto foi iniciado em 2016, tendo passado por vários formatos: começou como Sob o amor, peça com vários integrantes no elenco; depois se complexificou ainda mais e se tornou Sobre a brevidade da vida, que também não conseguiu nascer. Em todas as suas versões, no entanto, duas integrantes sempre estiveram presentes: a atriz Laura Nielsen e a diretora Natássia Vello. É, portanto, a partir das duas que o projeto nasce, finalmente estreando em 2019 e participando das comemorações de 10 anos do Teatro Inominável.

 

Laura Nielsen
Fotografias de Anna Clara Carvalho

 

Em cena, Nielsen é muitas mulheres numa só e, sobretudo, é o reflexo de distintos tempos em cada uma delas. Questões relacionadas ao universo feminino se apresentam miradas por distintos pontos de vista: maternidade, fertilidade, autonomia, sexualidade, laços de parentesco etc. Mas que isso, nesta nova criação, interessa observar como essas mulheres – tão distintas entre si, apesar de uma mesma família – desafiaram suas distitnas épocas e se posicionaram ativamente quando, muito comumente, o que se esperava de uma mulher era a simples e completa concordância com escolhas feitas por homens. Leonor diz a uma de suas parentes já mortas:

As coisas mudam
As coisas sempre haverão de mudar
E mudaram
O que a senhora foi
Num instante, talvez
Tenha feito todo o sentido do mundo
A senzala também o fez, não fez?


Este novo projeto – em breve com título – tem previsão de estreia para abril de 2019 e é produzido de maneira completamente independente, sem nenhum tipo de patrocínio ou incentivo. Sua principal aposta é justamente revirar os fatos tornados história oficial para pensarmos sobre a possibilidade de fazermos, atualmente, outra história da nossa humanidade, menos machista, menos fascista, mais livre e alegre.

 

Equipe de Criação

Dramaturgia: Diogo Liberano
Direção: Natássia Vello
Atuação: Laura Nielsen
Assistência de Direção: Clarissa Menezes
Produção: Clarissa Menezes e Diogo Liberano
Realização: Teatro Inominável

 

© Copyright 2019
Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: Diogo Liberano


Facebook Twitter Vimeo Instagram